Descontruir pra aprender a amar

04 junho 2016
E aí na semana passada explodiu mais um absurdo contra a mulher. Acho que todo mundo viu. Eu fiquei horrorizada assim que soube, não assisti ao vídeo e mandei o link da publicação do Twitter pro Facebook da Segurança Pública de SP (não foi nem visualizado, por sinal) no desespero de querer ajudar de alguma forma sem saber direito como. Pouco depois, o Facebook explodiu e a mídia teve que explodir também.

Veio justiça? Compaixão? Empatia? Em partes, mas junto um caminhão de ódio e mais absurdos: pessoas julgando o acontecido por conta das escolhas da menina. Quem já sofreu pelo menos um pouquinho com o machismo, imagino que tenha ficado tão enjoado como eu fiquei. Mas tava ali, o julgamento e o descaso vindo de pessoas estranhas e até de conhecidos, que eu não imaginava que poderiam ter tal atitude. 

É doido pensar o quanto nossa sociedade é machista e injusta. E é triste ver que muita gente não consegue sequer entender o quão machista é julgar mulheres e acontecimentos por causa de roupa, estilo de vida, local que a pessoa frequenta ou seja lá o que for.

Já falei aqui que precisamos do feminismo, hoje quero falar do quanto precisamos desconstruir nossos conceitos. O preconceito tá enraizado dentro de todos nós. Sim, inclusive de você que se acha super engajado na causa feminista. E isso porque nossa cultura é totalmente machista. Tudo pode ficar bem, desde que vocês estejam dispostos a entender e melhorar suas atitudes.


Eu sou super a favor do feminismo mas já chamei tanta mina de vagabunda por aí… mas ah, ela esbarrou em mim de proposito na balada! Ela já ficou com meu namorado! Ela tá de roupa curtinha mesmo com o frio que tá fazendo!

A gente sempre arruma uma desculpinha sem nem perceber que estamos fazendo um mal pra nós mesmas. Alguém já reparou que a gente cresce ouvindo que mulher se odeia? Que mulher é traiçoeira? Tenho certeza que a intenção dos meus pais, ou dos seus, não era transformar ninguém em seres machistas, ou em mulheres submissas.

E é por isso que temos que desconstruir todas nossas ideias, pra entender até que ponto o machismo tá enraizado na gente pra tirar ele dali. Só assim vamos conseguir passar a mensagem adiante, ajudar os mais cabeça-dura e de pouco em pouco, melhorar nosso mundinho.

Vai ser difícil pra caralho. Tem gente que não quer ver, tem outros que gostam de se sentir superiores colocando outros pra baixo pra dominar. Mas a gente precisa fazer nossa parte. E pra isso, começar a se respeitar mais. Se amar mais.

Chega de ódio de graça, dane-se que ela pega seu ex! Dane-se a roupa dela! Dane-se se ela gosta de dançar até o chão. Você não precisa odiar outra mulher e muito menos tentar provoca-lá pro ódio ser mutuo. Sabe a história do "mais amor, por favor"? Vamos começar a aplicar ela em tudo na nossa vida.

Vamos juntas (super indico curtirem essa página, inclusive <3) melhorar o mundo e cuidar umas das outras?

11 comentários

  1. Se você tá falando sobre a menina que foi estuprada aqui no Rio, é bizarra a forma como as pessoas ficam criando formas pra culpar ela. Independente se ela fazia isso ou aquilo, não justifica o fato de um coletivo de homens terem abusado disso, ninguém merece isso, nem a pior pessoa do mundo. E concordo com você, a gente tem que parar de ficar chamando umas as outras de puta, piranha e coisas do tipo por motivos como ela dá em cima dos garotos, ela fica com muitos garotos e essas coisas, porque é ridículo. Se os homens podem ficar com várias na balada em uma noite, porque as mulheres também não podem? E o pior: porque as mulheres gostam dos homens que pegam várias e detestam as mulheres que pegam vários? É uma coisa sem sentido. Confesso que eu xingo as minhas amigas sim, mas é porque eu tenho intimidade com elas e é na brincadeira, do tipo "aaah sua puta, você foi em tal lugar e nem me chamou" e coisa do tipo, sabe? Enfim, adorei o seu post!

    Beijos!
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
  2. É muito triste ver que muitas mulheres ao invés de defenderem outras mulheres, julgam. Há muitos anos a mulher vem se impondo e tem conquistado um espaço na sociedade que antes era impossível. Mais amor né? A mulher vê outra mulher como inimiga e não como aliada, sendo que só uma mulher sabe o que a outra sente! É inacreditável isso! -.-
    Amei seu texto!

    Cá entre nós, miga!

    ResponderExcluir
  3. Jé, o pior é ver como o assunto é tratado com descaso. Parece que nenhum argumento é suficiente, nenhuma prova é irrefutável e as pessoas estão sempre tentando dar um jeito de distorcer a história para inocentar o bandido e culpar a vítima.
    O feminismo mudou minha vida, eu também julgava mulheres antes, e hoje vejo - muito feliz - que não sou mais assim. Acho que é o caminho pra mudança, mas parece que tem gente que se recusa a enxergá-lo.
    Até comecei a escrever sobre o acontecimento no meu blog mas não consegui, seu post ficou muito bom. Obrigada por escrevê-lo, sei que não deve ter sido fácil.
    Beijos,
    www.horinhasdedescuido.com

    ResponderExcluir
  4. Está sendo difícil, vai continuar dificil, mas nem por isso a nossa luta vai diminuir. Tô adorando aprender mais, tô amando ler sobre a importância do feminismo e sigo tentando melhorar aos poucos os muitos conceitos que a sociedade vai impondo na gente desde cedo!!! beijos, Ja fomos legais

    ResponderExcluir
  5. Eu adorei conhecer a sua opinião sobre esse assunto, mas nesse caso não quis me posicionar como fiz em muitos outros, não estou julgando ninguém, e muito menos dizendo que sou a favor afinal foi um caso horrível, mas o que me deixou MUITO irritada nesse caso é que isso não é um caso isolado, acontece todos os dias, a todos os momentos, então porque só esse merece essa repercussão toda ? A questão é que o estrupo e o assedio tem que ser levado a sério em todos os casos e não em apenas um!
    lravilla.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Sim, sim, sim. É difícil enxergar que o que é "normal" é uma construção da sociedade, mas aos poucos nós percebemos que não é normal tudo ser como é... e que somos diminuídas e violentadas todos os dias. Precisamos muito do feminismo, precisamos mesmo nos abraçar e cuidarmos umas das outras. Que lindo seu texto <3


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    ResponderExcluir
  7. Fico assustada de ver como as pessoas culpam e investigam mais a vida da vítima do que dos marginais que a machucaram. E sabe o pior? Ela não é a única, a primeira e nem a última que vai sofrer esse tipo de violência e ainda ser mal vista pela sociedade.
    Sempre fui em cima do muro com o feminismo pois não concordava com algumas coisas, mas um pouco antes desse caso eu li um texto MARAVILHOSO sobre o movimento e a questão de que nem tudo vai nos agradar, mas nem por isso preciso abominar um movimento todo que tem sim lutas importantes.
    Falta muita empatia e reeducação, inclusive de nós mulheres. Como você disse, às vezes julgamos e chamamos umas as outras de vagabunda sem ao menos conhecer, só porque temos uma desculpinha.
    Adorei o post!
    Beijo

    Blog Lua Soares

    ResponderExcluir
  8. Jé, o caso maior é que vivemos em uma cultura que perdura, e não só cultura do machismo, mas uma cultura que culpa sempre a vítima, que enxerga quem foi ferido como 'o mais fraco', como 'o burro' e por aí vai, enquanto costumam ser eles os mais fortes, os que seguram as barras, os que lidam com as cicatrizes, os que são de corações bons. O problema na nossa sociedade está nessa cultura deturpada de diminuição e, ademais, nessas inversões de papéis de culpa que diminui a força e grandeza dos leais, dos emotivos, dos entregues e torna os papéis dos reais culpados como os fortes, os que não devem sentir vergonha, os que não precisam abaixar a cabeça e chorar pelo que fizeram. Deixo aqui um poema que aborda, ironicamente, a temática:

    OS CULPADOS - Vanessa Brunt

    O estuprado que sente vergonha
    E quem foi traído que ganha apelido
    O cafajeste falando da fronha
    E a namorada chorando escondido.
    Quem não teve princípios, só teve um deslize
    Quem pediu por respeito, é dramático em crise
    Quem jurou de mentira, acusa o momento
    Quem jurou de verdade, é o burro elemento
    Quem saiu para a balada, sem o marido
    Está curtindo a liberdade, é certo e sabido
    Quem reclamou da saída - sem motivo e não dita
    É doido, ciumento, uma mula maldita!
    Quem ficou em casa fazendo o jantar
    É o burro, coitado, a mulher foi caçar.
    O gordo julgado, caçoado, olha lá!
    Deve se sentir humilhado e chorar
    E o grupo de gente que o aborreceu
    Tem vergonha de quê? Já passou... Não doeu.
    O filho que xinga a mãe, está lutando pelos direitos
    A mãe que xinga o filho está educando
    A professora que berra é a que quer respeito
    Quem pede limites está abusando.
    Quem fingiu, foi espertinho
    Quem pediu a verdade, tem que ir atrás
    O moço foi ferido por culpa dele!
    A moça foi enganada porque quis demais.
    Meu amigo é corno porque é lerdo
    A ex esperta dele tá vivendo bem
    Ninguém repete fala para quem errou
    Depois de um mês esqueceram, amém.
    Não quero perder amigos
    Então eu vou...
    Dizer que aquilo foi besteira também.
    Traíram a minha confiança, vou ser o idiota!
    Ai meu Deus, não diga para ninguém.
    A mulher que beijou o cara, achando que era solteiro
    É a puta que atrapalhou o casal.
    O rapaz que não aguentou ir no banheiro
    É tolo, mesmo passando mal.
    A menina que cortou os pulsos é louca
    Quem maltratou ela, só estava sendo infantil
    Foi uma fase, passou, deixa lá...
    Que retardada aquela para quem ele mentiu.

    Adorei cada vírgula sua que tanto ratifica as noções, aglomerando alertas. Contanto que não firamos ninguém, somos de nós e fazemos o que quisermos. Nada disso nos culpa perante nada que nos fira. Importante é que possamos desconstruir essas teses toscas com mais amor, SEM FAVOR. Apenas por aprendermos que respeito é lidar com o outro como gostaria que o outro agisse com você.

    SEMQUASES.COM

    ResponderExcluir
  9. Eu amei cada palavra desse texto e te aplaudi assim que terminei de ler. As pessoas precisam ter essa consciência, precisam entender, precisam amar mais os outros.
    É a primeira vez que visito o blog e pode ter certeza de que voltarei mais vezes.
    Bjs

    barbfurtado.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Nossa eu vi várias mulheres falando que a menina merecia, mulher de traficante, e um absurdo assim. Cara, já fico em choque quando vejo homem falando essas coisas, mas mulher? Me assusta ainda mais. Porque só a gente sabe o que é ter medo de andar em uma rua de noite.

    Beijos, Love is Colorful

    ResponderExcluir
  11. Aff Jéssica, que texto lindo! Aceitar que a gente não é perfeita, por mais que sejamos engajadas e lutemos contra o machismo é mesmo um saco. É difícil. Sentar e rever todas as nossas crenças e pensar em todas as vezes que a gente é incoerente incomoda demais. Mas é isso mesmo que a gente precisa fazer - não só a gente, todo mundo. Cada pessoa que olha pra si mesma e enxerga os seus defeitos consegue ser mais empática com os outros, e quem sabe por meio da empatia a gente não consegue finalmente acabar com esses absurdos de violência de gênero (e de cor/orientação sexual/etnia/etc)??? Boto fé. Vamos juntas <33

    bj bj!!

    ResponderExcluir

 
Jéssica Bellisoni | Base por Michelly Melo .