Uma carta pra mim há 10 anos

05 fevereiro 2016
No mês passado a Pérola, do blog Utopia Concreta, me indicou pra um desafio super legal: 12 cartas para 12 meses. A ideia é postar uma carta (com destinatário/tema pré definido - da uma olhadinha no post dela!) , mas como tudo se tornou uma loucura nos últimos dias, acabei atrasando o primeiro post. Mas vamos relevar, né? Então vamos a primeira carta que é Uma carta para você no passado, há 10 anos atrás.

Hoje você tem 13 anos e está prestes a fazer 14. A ideia não é fazer uma carta profética então não vou te contar muito, apenas dar uma dica: respira fundo! A fase que tá começando vai ser muito difícil mas também vai ser muito boa. E aquilo que dizem que os tropeços da vida são lições: sei que você não acredita agora, mas é a mais pura verdade. Então respira e vai. Porque também tá chegando uma fase tão boa... onde você conhece seus verdadeiros amigos, descobre que não está sozinha e mesmo no meio de uma guerra interna, vai ter muitos momentos bons.


Se você realmente pudesse ler essa carta, seria muito legal se você valorizasse cada segundinho com sua família. E que, por mais que tente ser 'uma pedra' por dentro, falasse que os amasse. Cada um deles. A falta que isso pode fazer 10 anos daí... você nem tem ideia. Sei que hoje tá difícil, mas é aí nesse momento que você aprender que família é família. Independente de erros, brigas e qualquer coisa. Aguenta firme aí que eu juro que você vai saber do que estou falando.

É complicado escrever isso, escolhi a pior idade pra escrever pro meu eu de 10 anos atrás porque você está prestes a começar a construir seu carater de verdade, de viver coisas intensas, mas também de perdas  tão grandes... então acho que não vou me estender muito, não.

Vou te desejar sorte, mas não vou te pedir pra mudar nada. Posso adiantar que sua vida 10 anos depois não vai estar nada como você imaginou. Você ainda não vai ter realizado seu maior sonho do momento, mas vai ter vivido muita coisa boa e aprendido muito.

O mundo de hoje é um lugar com muita maldade, mas também de muita esperança. Não ligue pra quem te chamar de metida a revolucionária - porque vão. Mas o mundo, de pouco em pouco, também vai se revolucionar. O que você pensa aí, com uma cabeça tão jovem, vai continuar fazendo muito sentido aqui.

Então o conselho final é bem básico: curta muito cada momento, cada amigo, cada sorriso.

De você, aos 23 anos. ;)

5 comentários

  1. Que carta linda, quase chorei aqui.
    Engraçado que a gente nem imagina o quanto nosso mundo pode mudar em alguns anos, né? E em todos os sentidos. Acho que se eu parasse pra escrever uma pro meu "eu" de 10 anos atrás não seria muito diferente, nada como o tempo pra gente aprender algumas lições. Fora que a gente já era mates nessa época :') é tão bom saber que apesar da distância, do tempo, da vida, nós ainda estamos aqui.

    Te amoooooo <3
    Beijos

    Close To Paradise

    ResponderExcluir
  2. nossa, se eu pudesse mandar uma carta minha para esse período, eu mandaria para um ano a menos. meu eu aos 12 para os 13 anos. que fase :~ poderia dizer boa parte do que você falou e dizer sempre: tudo vai melhorar :D

    beeeijos :* Ja fomos legais

    ResponderExcluir
  3. adorei! vou fazer o meu próprio. gostei muito do seu texto.
    xoxo

    ResponderExcluir
  4. Nossa, cheguei a arrepiar agora. Muito linda essa carta e me emocionou profundamente, pois estou passando por uma fase parecida, estou com 14 para os 15 e posso dizer que tudo é muito complicado nessa fase, principalmente com os amigos e familiares. Muito obrigado pela sua carta, eu amei. <3

    Beijos,
    http://ambition-is-not-crime.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. É interessante como as coisas são, né? Quando a gente (eu ao menos) olha pra trás e vê o que nos tornamos, notamos que há um abismo que separa o que queríamos o que nos tornamos. E isso, na maioria das ocasiões é positivo. Por vezes pensamos e moldar o nosso devir mas, no momento da elaboração dos planos, não enxergamos a totalidade das coisas e vemos só aquilo que a gente quer. Lendo estes seus apontamentos, é impossível não entrar no Delorean e olhar para aquele nosso Eu que já foi um dia, assim como é inegável a emoção que exala em cada palavra de sua carta que, pesar de ser escrita para o seu Eu, ecoa no Eu passado de cada um. Muito emocionante mesmo. Parabéns.

    http://ricardobernardo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

 
Jéssica Bellisoni | Base por Michelly Melo .