A vida nas redes sociais

06 novembro 2015
Acho que quase todo mundo assistiu ao vídeo ou leu sobre o desabafo da Essena O’Neill, uma blogueira australiana, em relação as redes sociais e suas mentiras. É um assunto muito discutido hoje em dia e vale a pena ver o desabafo dela. Mas todo o bum em volta dessa história me fez querer discutir sobre um assunto que o desabafo dela trouxe novamente a tona.

Confesso que a parte do "redes sociais são uma mentira" era um assunto que me dava um pouco de preguiça: ué, qual o problema de mostrar momentos felizes nas redes sociais? Isso não quer dizer que somos felizes 100% do tempo e pra mim era algo muito obvio. Mas parando pra olhar o outro lado da moeda: temos toda aquela influencia que podemos causar em quem vê nosso conteúdo (sejam milhares de pessoas ou poucas duzias). Acho que o ponto principal é não fazer parecer que toda sua alegria é puramente por aquele sapato novo ou o presente que a marca x te enviou, ou até mesmo todos os likes que sua foto conquistou. 


Vamos lá, não tem problema nenhum de ficar feliz com coisas materiais e afins (eu, por exemplo, tenho um habito idiota e que odeio mas quando estou triste quero comprar alguma coisa pra me animar. Isso podia ser o inicio de algo muito maior e pior, né?). Mas é só tomar cuidado pra não criar uma outra dimensão da sua vida onde você vive feliz o tempo e apenas por ter mais coisas de marca, mais seguidores, mais likes e mais influencia na internet. Porque o ponto é que todo mundo tem momentos bons e ruins mas ninguém precisa ficar mostrando todos eles nas redes sociais, o tempo todo. 

Acho que falta mesmo é mais realidade e noção. Não é porque tem uma blogueira postando fotos incríveis de uma viagem que é seu sonho, que sua vida é uma porcaria. Hoje é ela e amanhã pode ser você. Ao invés de se sentir inferior, usa de inspiração! Sem mencionar que você pode ter momentos incríveis em cada diazinho seu, mesmo tendo um monte se coisas ruins neles também.

Participei da campanha #100happydays no Instagram há algum tempo, onde o objetivo era exatamente esse: mostrar que independente das dificuldades ou rasteiras do dia a dia, você pode encontrar um momento de felicidade todos os dias. Não era, como muitos falaram, uma forma de esfregar a felicidade na cara das pessoas. O que eu quero dizer é que não tem problema você mostrar sua alegria nas redes sociais. Não tem problema você querer ser uma blogueira com muitos seguidores. As duas coisas não são ruins. Apenas não podem ser o centro do seu mundo. Porque mais do que mostrar sua felicidade, você precisa viver ela.


Acho que no fim, foi isso o que a Essena talvez tenha tentado passar. Tudo bem postar coisas bonitas, legais e felizes na internet desde aquilo seja algo real e que você tenha vivido o momento ao invés de só fotografa-lo. E principalmente: que tenha vivido esses momentos com pessoas e não só pela sua tela do celular.

Mas e vocês, o que acham dessa história toda?

5 comentários

  1. Acho que muito do que ela escreveu era sobre as pessoas que a percebem de um jeito que ela não é. Você vê vários bloggers/vloggers fazendo coisas que no normal eles não fariam para manter um público x, e no caso dela, o público seja muito fútil. E é normal em alguma fase você estar fútil mas fazer disso um trabalho e fazer todo dia deve ser muito desestimulante.
    xoxo.
    Regina K.
    http://reginakadov.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Eu vi esse desabafo dela e concordei. Eu participava desse #100happydays no Twitter, mas acho que não é a mesma coisa né? Até porque nem todo mundo tem Twitter, vou começar a fazer essa campanha no Instagram. E eu acho exatamente como você concluiu o post e é assim que eu faço na maioria das vezes, porque estarei sendo ignorante em falar que todas as minhas fotos eu vivi o momento, porque eu sei que em algumas fotos eu só tirei a foto mesmo e não vivi realmente o momento, mas a maioria das fotos que eu posto, principalmente no meu Instagram, são fotos do que realmente vivi, eu uso o Instagram como forma de memória, pode até perceber que as minhas primeiras fotos postadas lá, por pior que está a qualidade, eu não apaguei, porque cada uma tem uma história diferente da qual eu gosto de lembrar sempre que vejo a foto, sabe? E nunca vou apagar. A foto pode ter ficado bem feia e com a qualidade bem baixa, mas eu dou uma editadinha e posto pra relembrar depois quando rever a foto e, normalmente quando tem várias fotos de um mesmo dia, é porque o dia foi realmente bom, tipo a festa que eu fui ontem que eu curti muito e tirei foto de tudo (porque gosto de fotografar mesmo, tanto eu quanto outras pessoas ou objetos/comidas) então to com bastante foto pra postar e doida pra voltar na festa que fui ontem :P hahaha! Enfim, só pra finalizar esse comentário GG, eu também tenho esse probleminha de sempre que eu to mal, compro qualquer coisa pra melhorar meu humor, só tenho medo de virar compradora compulsiva.

    Beijos!
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente! Se temos tantas boas lembranças, qual o problema em compartilhar nas redes sociais e depois usar ela como um tipo de banco de memórias, certo?

      Também tenho medo de virar compulsiva hahaha por isso tento evitar ao máximo comprar quando estou chateada. Porque muito provavelmente não preciso daquilo...

      Beijos

      Excluir
  3. Esse é um assunto bem delicado, como vários outros que rolam na internet! Eu soube dessa blogueira australiana pelo Snap da Bruna Vieira onde ela estava dando a sua opinião sobre isso. O meu ponto de vista é bem simples e objetivo acho que gostamos de compartilhar o que nos faz feliz, porque compartilhar coisas tristes? Sempre que eu to triste eu escrevo, ou como tipo muito, agradeço não ser compulsiva (não deve ser nada legal). Acho que a rede social é algo muito pessoal e você posta aquilo que se sente melhor, se é os produtos da marca X, viajando, não importa as pessoas não podem condenar os outros por fazerem isso.

    simplesmenteassimj.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu concordo com você. Não tem porque ficar espalhando sua tristeza por aí, né? Eu também gosto de escrever quando estou triste...

      E sim, não tem porquê não compartilhar coisas legais. Isso não quer dizer que é tudo uma mentira ou tudo errado. É só uma parte da vida das pessoas e não a vida inteira dela.

      Excluir

 
Jéssica Bellisoni | Base por Michelly Melo .