Estava lá, mas "vi" pelo celular

08 maio 2015
Dias atrás assisti, sem querer, um show da banda escocesa The Dark Jokes. Foi muito por acaso mesmo, já que estava no local e horário que eles iam tocar. Apesar de não ter propriedade pra falar sobre o assunto, gostei das viradas que eles usam dentro de uma mesma música. Tanto que até deixei uma foto e um parágrafo falando disso, que não tem ligação com o que quero falar.


Durante o show, relembrei algo que "larguei" há um tempinho: o uso amnésico do celular.

Quem me conhece, sabe que faço alguns trabalhos de fotografia. Levava minha câmera em todos os lugares que eu ia: viagens, festas, shows, aniversários da família, etc. Apesar das imagens legais, percebi que a maioria delas ficavam esquecidas e que talvez nunca mais me interessariam na vida.

Foi através dos shows que notei que as memórias dos momentos em que não estava com a câmera eram muito mais vivas, mais vividas. Estava livre para simplesmente curtir. Não ficava preocupado em focar, não tremer, achar o melhor ângulo.

Foi assim com muitas pessoas na apresentação do The Dark Jokes. Olhavam (como eu já olhei) mais para visor do aparelho do que para os caras ao vivo. E aposto que seria assim com qualquer outro artista. Vou além, seria assim em qualquer outro tipo de evento.

No show do Naldo:


Na vitória do Medina:


No primeiro discurso do Papa:


No jogo da Seleção Brasileira, que pela imagem parece que ninguém nem olhou pro gramado (ou que ele era no alto):


Nunca fui ao Rio de Janeiro, mas ouvi dizer que aplaudem o pôr do Sol na praia de Ipanema. Deve ser demais mesmo. Mas li que os aplausos estão cada vez menores porque as pessoas querem filmes e selfies na hora. Só é preciso ponderação. Claro que é bom registrar os momentos, mas também é preciso vive-los. Parece mais importante ter o registro do que estar lá. Pense nisso!


Joca O.

5 comentários

  1. Nossa achei tão real tudo isso que você falou e tão triste tbm.
    A gente ta vendo a vida passar pelas telas dos celulares :(
    Vou até me policiar mais hahahah beijos
    Follow Cíntia

    ResponderExcluir
  2. Adorei o post! Falou tudo! É exatamente isso que eu sinto. Vou confessar que sou uma dessas pessoas que fica olhando pela tela do celular durante um show, mas quando chega na minha música favorita, eu gravo só metade e o resto fico cantando e dançando, mas mesmo assim acabo gravando praticamente o show todo. Quem vai no meu canal pessoal de vídeos no YouTube, vê praticamente o show inteiro ali. Isso não é bom. Porque acabo perdendo momentos que poderiam ser únicos. Eu estou largando um pouco mais esse "hábito". É bom registrar um momento único? É, muito bom. Mas registrar só uma vez e não 3920840398 fotos ou vídeos daquele momento, uma só tá bom, só pra recordar, só pra quando no futuro olhar a foto e lembrar do momento mesmo, mas não o momento que eu tirei a foto e sim oS momentoS do show inteiro.

    Beijos!
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
  3. Se eu te disser que aconteceu um lance desses quando tive a oportunidade de ver uma audiência do Papa! hehehe :P Ele passou pertinho de mim e claro que quis registrar isso, mas ao mesmo tempo também queria poder ver ele pertinho ao vivo, e não só pelo visor da câmera! A gente precisa prestar mais atenção nisso e viver mais, ao invés de se preocupar tanto em registrar tudo e tirar a foto perfeita né?
    beijo, Jéssica! :**

    http://beyondcloudnine.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Li um artigo científico sobre isso, e olha que o artigo nem é tão recente, porém é bastante atual. Eu era assim, e também percebi o quanto isso prejudicava meus momentos únicos, por isso hoje opto por poucas fotos, e geralmente são as melhores. he. Bjinhos!

    ResponderExcluir
  5. Triste!
    Ultimamente tenho pensado muito nisso!
    Até em viagens, sabe?
    Estamos lá passeando, conhecendo lugares lindo e novos, ams só vemos realmente quando voltamos para casa e vemos pelas fotos do celular. Triste!

    Blog do Sofá

    ResponderExcluir

 
Jéssica Bellisoni | Base por Michelly Melo .